CFM dá parecer favorável à estimulação magnética transcraniana na depressão

[dc]A[/dc] eficácia da Estimulação Magnética Transcraniana (EMT) para o tratamento da depressão não é novidade para quase uma centena de clínicas que já oferecem o tratamento no Brasil.

Embora a literatura médica e o registro na ANVISA já autorizassem o médico a fazer uso clínico do método desde que o Estimulador Magnético Neuro-MS obteve o registro, em 2007, a publicação de um parecer do Conselho Federal de Medicina é um marco importante no reconhecimento do papel das técnicas de neuromodulação no tratamento da depressão.

Pareceres e resoluções do CFM cobrem apenas uma pequena fração dos procedimentos e condutas médicas. O pedido de um parecer sobre a EMT tramitava desde 2008 e nasceu de desinformação sobre o método dentro do próprio meio médico. Um parecer não fundamentado, publicado em 2008, chegou a ser contrário à aceitação do método e só recentemente esse parecer foi revisto à luz da literatura médica e agora é publicado com nova conclusão.

Outra técnica tradicional de Neuromodulação, a Eletroconvulsoterapia, já foi objeto de resolução do CFM no ano de 2002.

Ainda hoje poucos psiquiatras consideram a indicação da Estimulação Magnética Transcraniana no tratamento de depressão quando a primeira medicação anti-depressiva não tem a eficácia esperada ou não é tolerada.

Os médicos que já incluem o método entre as opções terapêuticas têm agora o apoio do parecer a lhe facilitar a divulgação científica da técnica entre seus colegas e pacientes.

Para ver o parecer completo, clique aqui.

[hr]

Deixe uma resposta