Revendo as ideias de Viktor Frankl no centenário de seu nascimento

Por Marcelo V. Roehe.

biografia, existencialismo, fenomenologia, logoterapia, sentido da vida, viktor frankl, pdf

[dc]O[/dc] ano de 2005 marca o centenário de nascimento do psiquiatra e psicoterapeuta austríaco Viktor Emil Frankl. Nascido em Viena no dia 26 de março de 1905, Frankl está associado ao pensamento fenomenológico- existencial na psicologia. Dentre suas principais influências destacam-se a fenomenologia dos valores de Max Scheler e a analítica existencial fenomenológica de Martin Heidegger.

É importante lembrar também, que no ano de 2004 completaram-se 20 anos da presença de Viktor Frankl em Porto Alegre/RS, durante a realização do I Encontro Latino-Americano Humanístico-Existencial: Logoterapia na PUCRS. Nesta ocasião, Frankl foi homenageado com o título de Doctor Honoris Causa pela PUCRS e com a Medalha de Porto Alegre pela Prefeitura Municipal. Além disso, iniciou-se uma campanha pela indicação do Dr. Frankl ao Prêmio Nobel da Paz.

Frankl propôs como tema central para a compreensão do ser humano e a conseqüente intervenção terapêutica, a questão do sentido da vida. Em seu pensamento, a vontade de sentido (logos) é a motivação principal do homem. Daí o nome de sua teoria: Logoterapia. Frankl faleceu no dia 2 de setembro de 1997 em Viena.

A vida de Frankl é marcada pelo horror dos campos de concentração mantidos pelo governo nazista. Durante quase 3 anos, entre 1942 e 1945, Frankl foi prisioneiro dos nazistas em diferentes campos, como o de Auschwitz. Nos campos de concentração, Frankl perdeu sua mulher, seus pais e um irmão. Frankl referia-se a esse período como o experimentum crucis para suas idéias psicoterapêuticas. Referindo-se a esse período e a sua sobrevivência, Frankl tomou uma frase de Nietzsche, a qual repetiu em muitas de suas publicações: “quem tem por que viver, suporta qualquer como”. Frankl (1989) narra sua experiência nos campos de concentração no livro Em busca de sentido.

Sua trajetória intelectual se inicia em 1924 com a publicação do artigo “A origem da mímica da afirmação e da negação” no International Journal of Psychoanalysis, com recomendação de Freud. Por um curto período, Frankl fez parte do grupo de Adler e nos anos finais da década de 20, começou a elaborar a Logoterapia, assim denominada em 1929, conforme Etcheverry (1990; para mais informações biográficas e curriculares recomenda-se Etcheverry, 1990 e Xausa, 1986).

A seguir apresenta-se uma síntese da teoria de Frankl no que diz respeito ao entendimento do ser humano e à questão do sentido da vida.

Para continuar lendo o artigo, clique aqui.

[line]

Deixe uma resposta